PATAXOCA
Vídeo, 4:46'








PATAXOCA é um mantra sobre a fecundação da natureza, e a segunda música do disco de Pablo Meijueiro, Mãe de Tudo vol.Y. "Quando as pataxocas - caranguejo fêmea, saem de suas tocas, e caminham em grande número até o mar - em contrato com a lua cheia, onde se apronta a maré grande mais grande - entregam às águas seus ovos, para assim se espalharem e reproduzirem, por toda a costa".

O vídeo é um desdobramento do solo de dança contemporânea "De quando as águas cresceram por sobre o ventre da terra", criado por Dora Selva. Inspirada no livro “Homens e Caranguejos”, de Josué de Castro, essa pesquisa se debruçou no estudo sobre a água, enquanto elemento e arquétipo. De onde surge a vida, a água é crucial para a existência humana, e um dos principais problemas ambientais atuais. Assim como o feminino, a água é constantemente violentada, marginalizada, instrumentalizada e desrespeitada. Essa é uma dança, então, que evoca a força da própria vida em si, num momento histórico de autodestruição humana. Se trata de um corpo que propõe um outro tempo, aquele que é eterno e contínuo, de tudo que se move debaixo da terra e acima do céu, dentro do corpo e para fora dele.

Sua concepção e filmagem, foram fruto de um processo criativo coletivo, interessado num "cinema menos perfeito", não industrial. Um trabalho onde a técnica entra como ritual e feitiço de entrega conjunta. Criamos a partir do som, e escolhemos a noite americana como principal recurso estético nessa construção. Foi feito por poucas e cuidadosas mãos, e tem como objetivo formal/conceitual a elaboração de um território visual mágico enquanto solo fértil e disponível para novos ciclos. Como coloca Silvia Friederici: "A magia mata a indústria".


Realização: Alice Nin, Tomás Camargo, Pedro Romão, Dora Selva e Pablo Meijueiro.



︎︎︎ https://www.youtube.com/watch?v=l3XD5s_mtto&autoplay=1&mute=0
Alice Nin / Rio de Janeiro, 2020